segunda-feira, 14 de julho de 2008

Onipotente


Floripa 063, upload feito originalmente por Georgia Gonçalves.

E o sol quebrou, calmamente, a redoma de nuvens que o continha afastado do mar, iluminando assim o mar da sereia que chorava a morte de seu marinheiro prometido...

3 comentários:

Ígor Andrade disse...

Que foto!
Lembranças de minha infância viu...

Muita paz pra ti!

disse...

Hehehe
Da minha também...
Muita paz pra ti tb!
bjk

pAOLO W mANTOVANI disse...

Oi senhorita Balzaquiana!! Já faz uns dias que vejo seus blogs, e hoje, resolvi comentar... vendo essa foto, me recordo da seguinte frase: 'Tantas pessoas tornam-se tão envolvidas em olhar as luzes artificiais da cidade que se esquecem de pensar sobre essa grande luz cósmica que se levanta todo dia pela manhã no horizonte oriental e se move com um tipo de sinfonia de movimento assim como uma rainha desfila magistralmente através da sua mansão deixando o rastro de como se move – essa luz o homem nunca pôde, pode ou poderá fazer.' Abraço.